Caro Dr.

Caro Dr.
Não suporto ignorar o meu próprio ser.
Preciso ser o que sou nesta alma vivente.
Por mais que seja a droga potente,
Esta alma não tem mais recurso.
Eis que a vida surgiu de um impulso.

Caro Dr.
Permita viver meu niilismo abjeto.
Permita viver meu viver sem projeto.
Permita agora caminhar com meus passos,
Sem querer explicar as razões dos fracassos.

Caro Dr.
Não pretendo me enquadrar no modelo vigente.
Por mais que eu erre não deixarei de ser gente.
Por mais saciado não estarei satisfeito:
Na mais bela flor somente vejo defeitos.

Obrigado Dr.
Sinto agora aceitar minha percepção deste mundo.
Aceito, desejo e alimento cada vez mais profundo.
O que eu quero e talvez tão logo consiga.
Tantas outras insânias minha alma persiga.

Paciência Dr.
A conta Dr.
Até quando Dr.

Pedro Luiz Da Cas Viegas
Porto Alegre, 02 de Julho de 2001

Anúncios

Um comentário

  1. reinodalira
    Enviado 9 de fevereiro de 2013 em 11:24 am | Link Permanente | Responder

    Esplêndido!!! É como um exorcismo!rs Parabéns! Muita intensidade e lirismo em seus versos, amigo Pedro! Um grande viva ao Randomatizes! Um grande abraço!

Escreva sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: