Macerófagos

Enquanto maceram-se os alimentos
Vão se ruminando os pensamentos
As azias que corroem
As idéias que corrompem
Regurgitam-se trituradas
As mais preciosas esperanças

II

Cavalo que sou
Macerei do melhor
E no fino manto relvado
Esterquei minhas abjeções

Asno que sou
Ponderei mais que o devido
E por vezes descobri tardiamente
O erro do caminho escolhido

III

Macerado, deglutido
Dia a dia ingerido
À mesa do tempo que passa
Repleta, farta dos eventos servidos

Macerófagos, todos juntos macerando
Revirando, remoendo, desfazendo a solidez
Devagar se esvai o sumo
Devagar se encontra o rumo

Macerófagos macerantes
Mastigam, trituram
Músculos, ossos
Folhas, fibras e sementes

Ruminam dúvidas, certezas e temores
Dilaceram as próprias esperanças
Num macerar sem sabores

Pedro Luiz Da Cas Viegas
Porto Alegre. Junho, 2001.

Anúncios

Escreva sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: