Prata

A prata da Lua

Quisera fosse vermelha

Fosse verde ou azul

Uma cor menos crua

 

A prata de sempre

Do astro sem luz que espelha

Espelha e espalha silente

A luz da velha estrela

  

Que noutro lado do mundo

Performa o giro do dia

O dia de sempre

O giro sem rumo

A noite de sempre

A sempre velha luz fria

 

Pedro Luiz Da Cas Viegas

Porto Alegre 02 de fevereiro de 2002

 

Anúncios

Escreva sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: